quarta-feira, 21 de janeiro de 2015

Carta à minha futura Rainha.


Olá Rainha...



Eu ainda não sei quem tu és e provavelmente tu não sabes quem eu sou. O tempo irá encarregar-se de nos fazer cruzar caminhos, se é que já não o fizemos. E eu vou apaixonar-me por ti, pelo teu jeito, pela forma como pensas, como ages. Vou apaixonar-me pelas tuas falhas e pelas tuas virtudes. Tu vais apaixonar-te por mim, muito provavelmente, primeiro que eu me irei apaixonar por ti. E tu vais dar-me algumas pistas sobre o que sentes, fazendo como que eu lute por ti. Sim, tu vais fazer com que eu te conquiste. Tu vais dizer muita vez que não estás apaixonada, mas vais dizer que estás a começar a gostar de mim. Eu vou tentar surpreender-te. Vou correr atrás de ti como se o meu respirar dependesse de ti. De te ver. De te sentir. Vou oferecer-te flores, peluches...mas principalmente, vou dar-te carinho, atenção, afecto. Vou dar-te todo o meu tempo. Vou ter dias de cansaço, dias em que me vai custar mexer o corpo, mas eu vou dizer-te que vou ter contigo e se tiver de andar uma hora a pé e sem forças, desde que seja por ti, eu vou. E quando eu estiver de cama? Vou levantar-me da cama para ir ter contigo, se assim quiseres.

Vou dizer que te quero e sou capaz de te dizer meio a medo que te amo. Tu vais corar, vais dizer que sou tolo, talvez até digas que não és capaz de dizer que me amas, mas vais acabar por dizê-lo um dia. E antes de te pedir em namoro, vou andar com o coração nas mãos e de olhos bem atentos à procura do teu sorriso em cada esquina, em cada canto. Prometo que te vou tentar fazer feliz o mais que consiga e que o meu objectivo é o teu sorriso. Nos dias em que estiveres mal? Eu estarei lá para te apoiar. Serei mais que teu amante. Serei também o teu melhor amigo. Não me esquecerei das datas. Da data do primeiro beijo, a data da primeira vez que senti algo por ti, da data em que quase te disse o que sentia, mas não fui capaz. Nem me vou esquecer de quando começámos a namorar. Talvez me lembre também da data em que nos conhecemos; digo talvez porque a minha cabeça vai estar ocupada a tentar dar o melhor de mim a ti. Tu vais-me fazer ser mais homem. Eu vou-te fazer ser Rainha num Reino só nosso. Vou escrever-te cartas, vou escrever poesia, vou fazer música a pensar em ti e até vou fazer música contigo a ver ou vamos fazer música os dois. Literalmente e não só. Nós vamos ser música na vida um do outro. Seremos a sinfonia mais bela. Não sei se vais querer casar e ter filhos ou só vivermos juntos, mas se tu quiseres, eu também vou querer. Vou lutar pelos teus sonhos como luto pelos meus.

Uns dias serei rabugento. Noutros serei chato. Nós até vamos chegar a discutir um com o outro, mas vou acabar por te pedir desculpa porque não vou ser capaz de viver sem ti a meu lado. Perdoa-me quando eu falhar, porque eu não sou perfeito. Já tu, para mim, serás sempre perfeita. Vou tentar estar sempre a teu lado. Vou ficar velhinho e vou envelhecer contigo a meu lado. Vamos ver os nossos filhos crescerem felizes, com o melhor que lhes pudermos dar. Vamos ver os nossos netos e bisnetos. Vamos ser Pais, Avós e Bisavós babados. Vamos vê-los lutar pelos sonhos deles e vamos ser felizes. Vamos dar-lhes um pouco do nosso mundo. Quem sabe, algum deles até se torne artista e decida fazer uma ode a nós...ou uma música...ou um quadro...quem sabe. Isto já sou eu a sonhar.
Não quero uma história que dure para sempre. Eu não te vou amar para sempre. Vou apenas amar-te. E quando eu morrer, antes do meu último suspiro, vou segurar-te na mão e dizer que tu eras o meu sonho...o sonho que eu tinha desde pequenino, desde que me lembro de sonhar. E vou dizer que continuas a sê-lo. E darei o meu último suspiro, fecharei os olhos e morrerei em paz por saber que fiz feliz aquela que é a minha Rainha.

Eu não quero um final feliz. Nem sequer quero um final. A única coisa que quero é fazer-te feliz e ser feliz. Só te quero a ti. Porque princesas há muitas...Rainhas só há uma. Tu.

Um beijo daquele que um dia te irá amar como tu deves ser amada.